Quando perdi para o Uruguai

Me deparei com esse texto nos meus arquivos. Cheguei a deletá-lo do meu outro blog porque achei que fosse ‘incompatível’ com quem eu estava me tornando, tempos depois de viver essa experiência. Mas retorno cada palavra ao incerto mar da virtualidade. Toda paixão merece um suspiro.

****

A sensação de quando algo se perde é realmente desconcertante. Livros, brincos, anéis, roupas, mas difícil mesmo é quando se perdem pessoas, momentos, quando se perdem sonhos… Eu perdi algo que nem sei se de fato tinha, perdi algo que está no Uruguai, mais precisamente em Montevidéu, sim meus caros, perdi um uruguaio, perdi para o Uruguai.

Queria dizer que como atleta (ginasta de preferência), que perdi para alguma ginasta uruguaia, mas não, perdi no jogo do amor, o verdadeiro jogo mortal, voraz, em que grande parte das batalhas tem apenas um vencedor, mesmo que o vencedor não saiba que venceu.

Uruguaio, talentoso e… com os cabelos mais lindos que eu já vi na vida, olhos mais negros e profundos nos quais já pude mergulhar. O uruguaio mais ‘brasileiro’ que já conheci, mas conheci apenas este uruguaio (risos).

Eu não sei jogar, mas aceitei participar da partida, o que eu tinha? Algumas cartas… de amor, mas não podia jogá-las, não poderia mostrá-las, eu estava jogando com um perfeito jogador: malicioso, talentoso, performático, louco, persuasivo e… calado. O silêncio era o seu maior trunfo e sua pergunta mais frequente era: ¿Qué passa?

–Tudo bem brasi?

–Tudo bem ‘uruguaxo’ – era assim que o jogo começava, despretensiosamente.

Um jogo que precisava de tempo, e como viciada enlouquecida, não precisei de muito tempo para me arruinar. Arruinada pelo jogo do amor. Arruinada por um latino-americano, de repente, tive uma sensação pior do que a perda, tive a sensação de que algo havia sido extraviado. Algo que me pertence está no Uruguai agora… Em Montevidéu? Não sei, não sei em que parte, mas adoraria que me devolvesse os beijos mais calientes e os segredos mais profundos que lhe foram entoados… em português.

¿Qué passa brasilera? Não passa nada uruguaxo, apenas levaste algumas verdades que lhe disse que provavelmente estarão na sua estante junto aos seus leões preciosos, tão preciosos que nem poderia ver a verdade que lhe dei e me devolver nem que fosse em um mísero aperto de mão.

Eu não perdi um uruguaio, eu nunca o tive e talvez a perda maior tenha sido não perder.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: