fantasias em excesso

Fantasias em excesso podem atrapalhar a vida – Conheça o transtorno do devaneio excessivo

Quem nunca passou um tempo “viajando” na mente? Você está em casa, ouvindo uma música e, de repente, começa a ser transportado para outros cenários. Ou então você começa a “viajar” antes de dormir e, nessas histórias, tanto pode ser o personagem, como pode criar, inclusive, personagens, falas e os mais diversos cenários.

O Fantástico Mundo de Bob

Na infância, as fantasias fazem parte do desenvolvimento saudável. Quem se lembra do personagem Bob, do desenho O Fantástico Mundo de Bob, que fantasiava sobre qualquer situação e sobre todas as pessoas, rendendo muitas risadas? É perfeitamente normal que as crianças se utilizem do recurso da fantasia para a interpretação do mundo que estão conhecendo.

Fantasias em excesso fazem parte do período da puberdade, em que na adolescência, começa a se imaginar uma série de experiências que ainda irão ocorrer, como ter um relacionamento amoroso, como será a primeira relação sexual, etc.

O problema são as fantasias em excesso, decorrente de quando a pessoa se utiliza desse recurso como mecanismo de defesa para obter satisfação ilusória. Resumindo, o universo paralelo parece muito mais atrativo do que a realidade e, ficar nele, pelo maior tempo possível, pode se tornar um problema.

Confira: Você sabe qual é a diferença entre o amor romântico e o amor genuíno?

Quando fantasiar pode se tornar um problema

Algumas pessoas tendem a levar as fantasias tão a sério que além de as alimentarem, se fecham para a realidade, porque, como já foi dito, o mundo da fantasia parece mais atraente e “anestésico” diante de uma realidade desagradável.

Fantasias em excesso podem ser consideradas um problema quando a vida no mundo objetivo e real é completamente substituída pela vida na fantasia. Para Sigmund Freud, é impossível viver sem ilusões, aliás, o universo imaginário é primordial para o desenvolvimento humano.

A professora e psicanalista Cássia Chaffin, explica que pessoas que se restringem quanto ao ato de sonhar e vivem mais “presas à realidade”, tendem a se tornar mecânicas e não conseguem criar fantasias, o que as impede em suas vidas também de criar soluções criativas.

Já os distúrbios neuróticos têm principal característica o exagero de sensações psíquicas normais para qualquer ser humano. A angústia, ansiedade, medo, dramatização, obsessão e sentimentos depressivos são algumas ocorrências exageradas pelo neurótico, que levam ao sofrimento e à tentativa de “negociar” a realidade.

Um dos transtornos neuróticos relacionados ao ato de mascarar a realidade é a mitomania, que leva a pessoa a contar mentiras compulsivamente. A pessoa tem a mania de mentir para se sentir mais confortável a fim de evitar a rejeição de pessoas e punição por erros. O caso mais grave do problema leva o indivíduo a ter dificuldades em distinguir o que é verdade do que é invenção.

As fantasias em excesso podem ser categorizadas como transtorno de devaneio excessivo. Em 2002, o psiquiatra Eliezer Somer, da Universidade de Haifa, em Israel, falou pela primeira vez do problema, descrevendo os principais sintomas:

  • A pessoa é uma sonhadora, capaz de criar os seus próprios personagens para mergulhar em histórias complexas, repletas de detalhes e muito “reais” para ela;
  • Essas fantasias interferem em sua vida real e qualquer estímulo pode servir como gatilho para que se crie uma nova história, que levará a um mergulho ainda mais profundo no universo das fantasias;
  • Quem sofre com o transtorno do devaneio excessivo também pode vir a negligenciar responsabilidades, o que inclui alimentação e higiene;
  • O problema pode levar a dificuldades para dormir;
  • Quando sonham acordadas, as pessoas costumam realizar movimentos repetitivos ou estereotipados, o que inclui expressões faciais;
  • Muitas vezes, ao fantasiar, a pessoa pode murmurar em voz baixa, encenando o próprio devaneio;
  • As fantasias podem durar horas, e ao ter de cessá-las, a pessoa pode se sentir extremamente ansiosa, como se a fantasia representasse um vício.

O problema das fantasias em excesso também costuma incidir sobre os relacionamentos amorosos, quando literalmente aquele que devaneia, está se relacionando com alguém que criou em sua fantasia e não com a pessoa de fato, e quando de alguma maneira essa fantasia parece não ter tanta força diante da realidade. Parece inaceitável a outra pessoa tal como é, sem a vestimenta de personagem criada. Uma ou ambas as pessoas no relacionamento podem na verdade estar se relacionando com a fantasia criada e não com a pessoa de fato.

Mesmo tendo se tornado tão comum os relacionamentos virtuais, muitos especialistas alertam que não é possível “amar virtualmente” alguém, porque amar se relaciona a conhecer o outro, com todas as qualidades e defeitos e, pela internet, o máximo que alguém consegue é se apaixonar pela fantasia nesse tipo de interação.

A fantasia, imaginação, o “sonhar acordado” também é importante e, em muitos momentos, ajudam no processo criativo seja na vida pessoal ou profissional, mas essa fantasia precisa em algum momento se conectar à realidade e provocar alguma transformação também real.

A TCC (terapia cognitivo-comportamental) pode auxiliar a pessoa a se conectar com a sua realidade e a viver melhor, no caso em que sinta que essas fantasias em excesso estejam atrapalhando demais a sua vida.

Gostou do texto? Compartilhe! Aproveite e conheça o livro Mulher Quebrada, voltado para seres que desejam se aventurar na busca por si mesmos 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s