terceirização dos filhos

O que é a terceirização dos filhos e até que ponto é saudável?

Um termo tem sido cada vez mais utilizado nos últimos anos: terceirização dos filhos. O que é isso, afinal?

A terceirização dos filhos é um termo usado para se referir aos pais que “terceirizam” o cuidado dos filhos a outras pessoas (avós, tios, babás e/ou escola).

Deixar os filhos aos cuidados de outras pessoas é perfeitamente natural, afinal, com a correria do dia a dia dos pais, a terceirização em algum grau se torna uma necessidade.

O problema passa a existir quando os pais colocam a responsabilidade da educação dos filhos sobre outras pessoas (ainda que de maneira inconsciente), quando não estão empenhados na tarefa de dar aos filhos limites, de impor regras e de auxiliar no desenvolvimento das habilidades sociais e emocionais da criança.

É muito comum ora ou outra se deparar com algum educador reclamando de que os pais acham que a tarefa de educar os filhos é da escola e não deles, já que o educar da escola se refere aos ensinamentos dos conhecimentos gerais, mas os valores são deveres dos pais, assim como noções de educação, respeito ao próximo, etc.

Terceirização dos filhos sempre acontecerá em alguma medida

Em alguns momentos, os pais recorrerão ao auxílio de outras pessoas, e quando se fala em pais, fala-se no papel dos cuidadores, que em muitos casos, é atribuído à mãe solo. Em alguma medida é natural, seja enquanto os cuidadores trabalham, quando precisam resolver algum problema ou até mesmo quando precisam se divertir.

Se divertir? Sim, aliás aqui entra mais um assunto que costuma gerar muitas discussões. Muitas mães já se posicionaram, principalmente nas redes sociais para falar sobre o direito que têm, assim como qualquer outra pessoa, de se divertir sem a presença dos filhos em algum momento.  A terceirização abrange, inclusive, essa necessidade.

A terceirização sempre ocorrerá em algum grau, mas até que ponto é saudável e quando pode afetar a educação da criança? Autora do artigo A Era da Infantocracia, a psicóloga Mariza Tereza Maldonado, diz que não basta levar a criança ao clube se ela ficará jogando no celular enquanto os pais pegam sol. A autora traz reflexões sobre a armadilha na qual muitos pais caem de compensar os filhos com  brinquedos, guloseimas, viagens, etc.

Especialistas apontam que ao terceirizar uma criança, os pais estão colocando a responsabilidade de educá-la em outras pessoas ou instituições. Além disso, as crianças tendem a perder o referencial.

O escritor José Martins Filho, presidente da Academia Brasileira de Pediatria, afirma que sem trabalho não há educação e que os pais quando terceirizam os filhos, muitas vezes estão não estão conscientes do que estão fazendo.

A criança que sofre com a terceirização geralmente apresenta comportamentos como: agressividade, recusa escolar, dificuldade no convívio com amigos, não conseguem respeitar limites, podem apresentar baixa autoestima, etc.  Pode surgir na mente da criança a confusão de: a quem devo obedecer?

Até que ponto a terceirização é saudável?

Recentemente a influencer digital Shantal Verdelho, expôs uma sequência de stories em seu Instagram, mostrando uma viagem que estava fazendo ao lado do marido, filho e babá da criança, e muitas seguidoras questionaram o porquê ela estava terceirizando a criação do filho.

Shantal rebateu as críticas dizendo que não estava terceirizando a criação do filho, que ter uma babá a ajudava quando precisava trabalhar e até mesmo ter um momento de lazer com amigas e marido, mas que a criação era por conta dela e do pai da criança.

Essa terceirização dos filhos em algum ponto é natural e deixa de ser positiva quando a criança passa mais tempo sob outros cuidados do que com os pais ou quando os pais têm tempo livre para passar com os filhos, mas a relação se mantém distante, sem que haja atenção de qualidade. 

O que você pensa sobre o assunto? Compartilhe a sua opinião.

Gostou do texto? Acompanhe o nosso conteúdo nas redes sociais InstagramFacebook e Twitter! Aproveite para conhecer o livro Mulher Quebrada

Leia também:

Mãe solo – A desafiante tarefa de criar os filhos sozinha

Diferentes papéis da maternidade – reflexões necessárias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s